Zdunska Wola, cidade que venera São Maximiliano Kolbe

  07 de novembro de 2018 • 10h42 • Atualizado em 09/11/2018 • 11h28

O Programa Pai Eterno desta quarta-feira, 7, exibiu mais uma reportagem especial sobre os locais onde serão rezadas as Novenas Internacionais deste ano. Zdunska Wola, na Polônia, é a cidade natal de Maximiliano Kolbe. Lá está a casa que ele morou com sua família, atualmente um museu, um dos locais mais visitados pelos turistas. (Assista ao vídeo abaixo)

O museu é feito de madeira, com fundação em tijolo e pedra. Sua construção data do século 19. Alguns objetos do museu são marcas da história de vida dos pais de Maximiliano: máquina de tear, rolos de linha e outros objetos de trabalho. Maximiliano vem de uma família de tecelões e a casa dele era um dos muitos locais de tecelagem espalhados pela cidade. O que seus pais produziam, era vendido a comerciantes judeus. Essa era a forma de sobrevivência da família Kolbe.

Um quarto preservado no museu foi o local onde São Maximiliano nasceu e passou o início de sua vida. A cama é original e foi usada pela família, assim como o guarda roupa que também está exposto lá. Da infância do santo polonês, também foram preservadas algumas memórias. Em um expositor ficam os livros que Maximiliano usou na escola, um pequeno quadro negro e até mesmo um ábaco, instrumento muito usado antigamente como método de cálculo.

Terços, crucifixos, roupas utilizadas por Maximiliano enquanto religioso estão no museu. Lembranças de uma vida marcada pela fé e pelo amor incondicional à Virgem Maria. Uma imagem da santa também está exposta, representando a espiritualidade do santo. A devoção dele começou ainda criança, em um sonho que teve com Nossa Senhora.

Para difundir a devoção a ela, Maximiliano criou a revista Cavaleiro da Imaculada. Na época, escrita ainda em máquina de datilografia. No museu está exposta uma capa de 1922 e o conteúdo era sobre a Virgem Maria, sua importância e seus ensinamentos.

Veja também: 

“São Maximiliano Maria Kolbe começou a publicar a revista em janeiro de 1922, na Cracóvia. Ele não tinha dinheiro para pagar os cinco mil exemplares dessa circulação, por isso rezou fervorosamente pedindo a intercessão da Mãe de Deus. Um dia, na oração da manhã, ele encontrou um pacote com o suficiente para pagar aquela circulação de cópias. O “Cavaleiro da Imaculada” é um periódico católico publicado hoje pelos Franciscanos Conventuais em todo o mundo e quase em todas as línguas. Esta revista foi extremamente popular antes da Segunda Guerra Mundial. O número recorde de uma edição do “Cavaleiro da Imaculada” foi de um milhão de cópias”, disse a responsável pelo museu Marta Cieslak.

Em um cantinho do museu estão algumas fotos de quando Maximiliano esteve no Japão. Em 1930, ele desembarcou na cidade de Nagasaki e tinha a evangelização como missão. Lá, ele conseguiu imprimir o Cavaleiro da Imaculada em japonês e também fundou o Jardim da Imaculada. O convento seguia a mesma linha de Niepokalanow, fundado na Polônia. O museu também traz várias lembranças de Maximiliano enquanto prisioneiro dos campos de concentração de Auschwitz, onde morreu depois de dar sua vida pra salvar um pai de família.

Além do museu, Zdunska Wola também tem o Santuário de Maximiliano Kolbe, Igreja de Nossa Senhora da Assunção. Uma igreja que é um símbolo para cidade. O local foi frequentado pela família Kolbe que deixou muita história marcada no local.

A igreja é carregada de momentos importantes na história da vida cristã e familiar de São Maximiliano Kolbe.  Foi no Santuário que aconteceu o casamento dos pais dele, o seu batizado e também foi onde teve a oportunidade de celebrar a primeira missa depois de sua ordenação sacerdotal.

O irmão de Maximiliano também se tornou padre e já celebrou missa na igreja. O altar tem representações da Imaculada e ainda uma relíquia do santo polonês. Em homenagem a Maximiliano, foi construído um altar, depois de sua beatificação. “Este é um dos lugares mais valiosos em termos espirituais. É onde está pia batismal em que São Maximiliano foi batizado no mesmo dia em que nasceu, 8 de janeiro de 1894. Depois de beatificação, realizada pelo Papa Paulo VI, o local se tornou o altar do beato Maximiliano Maria Kolbe. No altar também há relíquias. Estes, por exemplos, são os pelos da barba que ele cultivou durante uma missão no Japão”, ressaltou Marta Cieslak.

A construção da igreja começou em 1792 e terminou em 1883. Os vitrais, cheios de cor e beleza, foram colocados em 1956, após a Segunda Guerra Mundial. Em 1994, em comemoração ao centenário de Maximiliano Kolbe, a pintura das paredes foi toda renovada. “Todos os vitrais que temos na igreja são 1956. Somente depois da beatificação, em 1971, foi fundado um vitral com o beato Maximiliano Kolbe, e também com o Irmão Alberto Albert, na janela vizinha”, comentou a responsável pelo museu.

O Santuário é mais uma homenagem ao santo que orgulha sua terra natal pela história que construiu. São Maximiliano é venerado em Zdunska Wola, e são muitas as histórias de milagres concedidos por ele.

O Programa vai ao ar de segunda a sexta-feira, às 7h45, com reapresentação às 10h45. Você pode acompanhar todas as edições pelo Canal Pai Eterno, no YouTube, e também assistir pelo portal paieterno.com.br, na página do Programa Pai Eterno.

Fonte: Afipe

Veja Também