É tempo de espera pelo nascimento de Jesus Cristo

  03 de dezembro de 2018 • 11h04 • Atualizado em 05/12/2018 • 12h02

O Advento, tempo litúrgico de espera pelo Natal, começou ontem e segue até o dia 24 de dezembro. Este foi o tema da entrevista exibida no Programa Pai Eterno desta segunda-feira, 3, com o reitor do Seminário Maior São João Maria Vianey, Pe. Dilmo Franco de Campos. Ele ressaltou a importância de vivenciar este período de espera pelo nascimento de Jesus. (Assista ao vídeo abaixo)

Dayane Rodrigues: Padre, o que é o Advento?

Pe. Dilmo Franco de Campos: A palavra já diz: “ad” é o que está por vir. O Advento é um tempo de espera por Jesus Cristo. Assim como a Quaresma é um tempo de preparação para a Páscoa, o Advento é um tempo de preparação para o Natal.

Dayane Rodrigues: Como é a Liturgia deste período?

Pe. Dilmo Franco de Campos: Percebemos que neste período na Liturgia não se canta o “Glória”, o hino de louvor, porque deixa para cantar justamente quando Jesus nasce. A cor litúrgica é o roxo, que não é a penitência como na Quaresma, mas que exige de nós uma preparação para que o Senhor possa nascer.

Dayane Rodrigues: E por que este período foi instituído pela Igreja Católica?

Pe. Dilmo Franco de Campos: Foi instituído justamente para mostrar a relevância do nascimento de Cristo no nosso meio com todo um tempo para que os cristãos pudessem adequar os seus corações, aquele que está por vir.

Dayane Rodrigues: Padre, e como os cristãos podem vivenciar o Advento?

Pe. Dilmo Franco de Campos: Primeiramente, o tempo do Advento é um tempo de viver em família, depois é um tempo também de preparar o nosso coração com uma boa confissão. Outro ponto é fazer o presépio em família. Isso é muito evangelizador e educativo. As crianças serão evangelizadas desde pequenas. Outra coisa importante dentro do Advento é a ‘missionariedade’, no sentido de rezar a Novena de Natal em família. Os católicos são chamados a fazer isso, levar o Natal ao outro, um sinal que distingue a casa. Às vezes você se preocupa muito com luzes, que é bom também, pois Cristo é luz, mas ter símbolos religiosos nas suas residências que ajudam identificar a visualização e nos ajuda a preparar bem para o Natal.

Fonte: Afipe

Veja Também