Notícias

Na expectativa pela Páscoa do Senhor

À espera do Ressuscitado, os devotos são convidados a viverem momentos de oração, contemplação e entrega na Semana Santa. Confira a programação em Trindade.

DESTAQUE_NEWSLETTER_DESTAQUE_2015_03_06_002Paixão, Morte e Ressurreição de Jesus Cristo. A Semana Santa deve ser vista pelos cristãos como uma autêntica experiência de fé. Após um período de penitência e conversão, a Palavra de Deus convida os filhos e filhas do Divino Pai Eterno a viverem dias de júbilo e esperança. Desde o Domingo de Ramos até a Páscoa do Senhor, a Igreja segue rituais com momentos de oração e celebração do Mistério Pascal.

Por toda essa intensidade litúrgica e vivência da Palavra de Deus, a Semana Santa recebe ainda outro nome. “É também chamada de ‘Semana da Salvação’, justamente porque é o tempo mais forte e mais rico de conteúdo de todo Ano Litúrgico. Afinal, nele está o mistério central da nossa fé”, conceitua o Missionário Redentorista padre João Paulo Santos.

DESTAQUE_NEWSLETTER_DESTAQUE_2015_03_06_003Domingo de Ramos

A Semana Santa começa no Domingo da Paixão do Senhor, ou Domingo de Ramos. Neste dia, a Igreja celebra a chegada de Jesus a Jerusalém. O Filho de Deus é aclamado por uma multidão com ramos, costume nas cerimônias de acolhida de um rei.

“Ramos e Paixão são realidades recíprocas: os ramos fazem referência ao triunfo e a Paixão em referência à humilhação. Jesus entra em Jerusalém de fato como rei e Messias. Porém, o seu triunfo está na humildade e pacificidade em uma relação de serviço e não de poder”, explica Pe. João Paulo.

Na Igreja, após a bênção dos ramos e a proclamação do Evangelho, uma procissão segue para o local onde acontecerá a Santa Missa. De acordo com o Missionário Redentorista, esse é o ponto de partida para um mergulho no mistério que é celebrado: “Somos protagonistas nessa cena, pois Cristo assume o caminho da Cruz que o leva à morte por causa da nossa salvação”.

DESTAQUE_NEWSLETTER_DESTAQUE_2015_03_06_004Segunda, Terça e Quarta-feira Santa

Os dias seguintes à entrada de Jesus em Jerusalém têm um significado relevante na vida dos cristãos. É o momento em que a Igreja se prepara para o Tríduo Pascal. “É de suma importância chamar a atenção nestes dias para a celebração do sacramento da Reconciliação, acentuando o caráter pascal de tal sacramento”, avalia o padre.

Neste período, a Igreja contempla o Servo Sofredor, visto na figura de Jesus que se entrega pela humanidade. Nos Evangelhos, a reflexão vai do propósito da traição de Judas Iscariotes à decisão das autoridades por matar o Salvador.

Na Terça-feira Santa, em muitas igrejas se contemplam as dores de Maria. Na Quarta-feira Santa, acontece a piedosa procissão do encontro de Nosso dos Senhor dos Passos com Nossa Senhora das Dores. O encontro de Jesus com sua Santíssima Mãe no caminho do calvário representa o encontro da humanidade com seu Deus.

DESTAQUE_NEWSLETTER_DESTAQUE_2015_03_06_005Quinta-feira Santa

Na Quinta-feira Santa, a Igreja realiza duas celebrações. Na primeira, pela manhã, o bispo, em cerimônia solene, consagra os santos óleos que serão usados durante o ano nos Sacramentos. Padre João Paulo explica que “nesta cerimônia, sacerdotes e diáconos se reúnem em torno de seu bispo, como uma confirmação visível da Igreja e do serviço ministerial”.

À noite, acontece a celebração da Ceia do Senhor, a última de Jesus com os apóstolos. Começa o Tríduo Pascal. O momento é marcado pelo gesto do lava-pés, ressaltando o amor fraterno e o serviço à comunidade. Porém, a celebração da instituição do sacramento da Eucaristia é o ponto forte deste dia.

Na última ceia, Jesus, na véspera de Sua morte, mostra aos discípulos que permanecerá sempre entre eles, através da partilha do pão. “É a partir desta experiência que até hoje a Igreja se reúne para fazer comunhão com Jesus na partilha do pão, na Eucaristia”, lembra o sacerdote.

DESTAQUE_NEWSLETTER_DESTAQUE_2015_03_06_006Sexta-feira Santa

A Sexta-feira Santa chama a atenção para o marco da história da Salvação: a contemplação de Jesus Crucificado. Os cristãos são convidados ao silêncio que, segundo Pe. João Paulo, é a única maneira de compreender profundamente o amor de Deus pela humanidade.

“Nesta perspectiva, a Cruz, que para alguns é vista como sinal de morte, muda de aspecto e significado e se torna para nós cristãos sacramento de Salvação. Por isso, se diz que ‘quem procura Jesus sem a Cruz, pode encontrar a cruz sem Jesus’”, reflete.

Neste dia, não há celebração da missa. A ação litúrgica possui um ritual específico composto de três momentos: a liturgia da Palavra, a adoração da Santa Cruz e a comunhão eucarística.

DESTAQUE_NEWSLETTER_DESTAQUE_2015_03_06_007Sábado Santo

O dia que antecede a Páscoa do Senhor ainda não é o início das comemorações como muitos pensam. Para a Igreja, o momento ainda é de recolhimento. “Não se trata de um silêncio de tristeza, mas de esperança”, salienta Pe. João Paulo.

No Sábado Santo, a Igreja celebra a Vigília Pascal. Ela começa do lado de fora da igreja com um ritual chamado Lucernário, descrito pelo sacerdote como “a bênção do fogo novo, o acendimento e marcação com os cravos, em forma de cruz, no Círio Pascal”. Em seguida, tem a entrada na igreja e o anúncio da Páscoa. Após a Liturgia da Palavra, vem a Liturgia para Batismo ou renovação das promessas batismais. Logo depois, a celebração continua com a Liturgia Eucarística.

“Na celebração da vigília noturna, o sentimento é de triunfo e glória. Erguem-se aos céus, voz e coração, para cantar a vitória da vida sobre a morte”, declara o Missionário Redentorista.

DESTAQUE_NEWSLETTER_DESTAQUE_2015_03_06_008Domingo de Páscoa

Jesus Cristo Ressuscitou. A dor dá espaço à alegria na redenção do Filho de Deus que deu a vida por amor à humanidade. Assim, se encerra a Semana Santa. Na igreja, esse momento acontece com gestos simbólicos do Círio Pascal aceso e o rito de aspersão com a água abençoada.

“É a celebração máxima e basilar de todo o Ano Litúrgico. Afinal, toda celebração eucarística dominical é celebração da Páscoa do Senhor. Neste dia, celebramos a verdade central do cristianismo, o fundamento, o conteúdo e a raiz da nossa fé e esperança”, afirma Pe. João Paulo Santos.

Passagem à vida nova

A palavra páscoa significa passagem. Na Páscoa do Senhor, os filhos e filhas do Pai Eterno são convidados a uma nova vida, a um recomeço. Com a vitória da vida sobre a morte, Jesus Cristo apresenta aos fiéis uma experiência diferente. Libertos do pecado, o momento é de consolidar a vida na fé.

“A Ressurreição de Jesus é o mistério central da nossa fé e constitui o fundamento da nossa esperança de libertação, porque é a realização máxima do plano de Deus para a salvação humana”, argumenta Pe. João Paulo.

A partir do Domingo de Páscoa, se inicia o Tempo Pascal, o tempo litúrgico mais antigo e de maior relevância na Igreja. A alegria da comunidade na certeza da presença do Cristo vivo é celebrada na festa da Ascensão do Senhor. O encerramento acontece com a festa de Pentecoste, em que os apóstolos recebem o Espírito Santo e são enviados a dar testemunho do Ressuscitado.

Confira a programação da Semana Santa em Trindade (GO):

SEMANA_SANTA_CLIQUE_AQUI_2015_03_13


Deixe o seu Comentário


Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site, e podem passar por moderação.

TV Pai Eterno

MATÉRIAS RELACIONADAS






Baixe o aplicativo Pai Eterno

Google Play
App Store