Notícias

“Nunca faltou a fé, a devoção do romeiro”, afirma Pe. Ângelo Licati

Há 50 anos em Trindade, ele faz um comparativo das antigas e atuais Romarias.

DESTAQUE_ENTREVISTA_2015_06_22_001Faltam quatro dias para o início da Romaria de Trindade. A partir de sexta-feira, 26, devotos de todo o Brasil se voltam para mais uma tradicional Festa na Capital da Fé de Goiás. O Programa Pai Eterno desta segunda-feira, 22, exibiu entrevista especial com o Missionário Redentorista, Pe. Âneglo Licatti, que, há 50 anos participando de Romarias, tem muita história para contar e mostrou que guarda boas lembranças. (Assista ao vídeo abaixo)

Douglas Branquinho: Como eram as Romarias naquela época? O senhor começou em 1965, qual é a diferença daquela época para hoje?

Pe. Ângelo Licati: A diferença principal é que, naquele tempo, Goiás não tinha trânsito, não tinha estradas, era carro de boi e às vezes, quando a Federal autorizava, vinham aqueles caminhões pau da arara, de modo que era mais uma Romaria de carro de boi mesmo, de gente mais simples. Goiânia era só uma pista ruim, então era uma Romaria bastante restrita. Nunca faltaram romeiros, enchia aquela Praça da Matriz, mas não era mais do que isso. Agora, o que nunca faltou, e é uma coisa fantástica para nós, é a fé, a devoção do romeiro. Aqueles que vêm, vêm com fé. Eles conversam com o Pai Eterno como se fossem conversar com uma pessoa, não é uma Imagem, um alguém ausente, eles falam como falam com você, conversam com o Pai Eterno. Várias vezes escutei conversas deles contando a vida, contando o tempo que passaram um ano ou dois sem vir, as dificuldades de família, as doenças, contavam que eles faziam o planejamento, vendiam o capado, o bezerro e ficavam sem nada para vir para a Festa. São coisas fantásticas que mostram, de fato, que a pessoa não considera Deus como um distante, com um longe, mas como um Pai, que ouve, escuta, gosta dos filhos, que conversa com eles em um papo bem pessoal.

Douglas Branquinho: Padre, lembra-se de alguma história, uma conversa que o senhor ouviu, que tocou o senhor?

Pe. Ângelo Licati: Duas coisas eu até gravei em um DVD. Dois motivos foram muito importantes quando eu vi um romeiro sangrando os joelhos dando volta na Igreja Matriz, era uma tapiocanga grossiera, rústica. Eu falei: “Filho, por favor, o Pai Eterno não quer esse sacrifício. A sua promessa foi maravilhosa, você já cumpriu bastante, continua agora seguindo em pé. Deixa de fazer isso, estou lhe sugerindo”. Ele olhou para mim, e disse: “O senhor é o Pai Eterno?”. Eu respondi a ele: “Não. Estou velho, mas não sou o Pai Eterno”. Ele disse assim: “Então deixa que eu cumpra a promessa que eu fiz ao Pai Eterno. Me deixe continuar”.

Douglas Branquinho: Hoje, nós temos carro de boi, cavaleiros, muladeiros. Temos o pessoal que forma um mar na Rodovia dos Romeiros. Como era naquela época? Como as pessoas faziam a peregrinação?

DESTAQUE_ENTREVISTA_2015_06_22_003Pe. Ângelo Licati: De Goiânia vinham, mas é claro que proporcionalmente muito menos, mas aquela estrada era muito dificultosa. Para vir de Goiânia até Trindade, no tempo da Festa, não podia ultrapassar, então levava uma hora e meia ou duas, a 40 km por hora. A pé, não tinha aquelas passarelas para romeiros, ia indo do jeito que pudesse. Outra coisa foi a simplicidade do romeiro. Ele não pedia luxo, ele queria um cantinho para passar aqui, geralmente nos fundos dos quintais, armava no carro de boi, mas estavam felizes, celebravam a Romaria.

Douglas Branquinho: Qual a mensagem o senhor deixa para o romeiro do Pai Eterno que está se preparando para fazer essa peregrinação, para fazer a Romaria de Trindade neste ano?

Pe. Ângelo Licati: Primeiro, romeiro, a mensagem é forte, de fé, esperança. Deus é Pai, Ele vai acolhê-los como o Divino Pai Eterno. O assunto deste ano, todas as nossas meditações vão falar da nossa felicidade de sermos consagrados ao Pai Eterno. Independente da nossa vontade, o Pai nos aceita como filhos e nos consagra. Venham com o coração insultante de alegria, vençam as dificuldades inerentes a uma Romaria, a distância, a viagem, o cansaço, as noites mal dormidas, venham, façam, ofereçam ao Pai Eterno tudo com uma gratidão que você tem a Ele pela vida que recebes, por esse mundo maravilhoso que Ele dá e pela graça que Ele diz: “Filho, eu amo você de verdade, e eu quero você comigo aqui, na peregrinação desse mundo, eu espero com vocês, a nossa Festa do céu”.

O Programa vai ao ar de segunda a sexta-feira, às 7h45, com reapresentação às 10h45. Você pode acompanhar todas as edições pelo Canal Pai Eterno, no YouTube, e também assistir pelo portal paieterno.com.br, na página do Programa Pai Eterno.


Deixe o seu Comentário


Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site, e podem passar por moderação.

TV Pai Eterno

MATÉRIAS RELACIONADAS






Baixe o aplicativo Pai Eterno

Google Play
App Store