Entretenimento

Confira como foi 1º Festival de Cinema de Trindade

Lançamento de livro, exibição de filme, exposições artísticas, música e oficinas de audiovisual foram atrações.

O 1º Festival de Cinema de Trindade foi realizado no último fim de semana e reuniu centenas de pessoas na Capital da Fé de Goiás.  Uma das atrações foi o lançamento do livro Pelágio Sauter: O Apóstolo de Goiás, da Editora Escala, e escrito pelo Pe. Clóvis de Jesus Bovo, Missionário Redentorista. O evento aconteceu no Cineteatro Afipe e o destaque foi do Programa Pai Eterno desta terça-feira, 29. (Assista ao vídeo abaixo) 

“Este livro é uma compilação das cinco edições que já houve dele. Fizemos um resumo e escolhemos as partes mais importantes dos livros. Também tem muita coisa nova e está aí para lermos e ao mesmo tempo rezarmos pela beatificação dele, que é o mais importante”, ressaltou o padre.

Pe. Pelágio foi muito querido por todos e, por isso, a noite do lançamento foi marcada por muitas homenagens. “Naquele tempo, a gente o considerava um pai. Era um senhor enérgico, muito bom. Então, éramos de dentro da Igreja, e ele era muito importante, fazia tudo para gente e nós precisamos fazer alguma coisa por ele, pela memória dele”, contou o fotógrafo Sebastião Souza Barbosa.

Dária Alves, radialista, relatou que Pe. Pelágio marcou a sua infância: “Com meus dez anos, gostava muito de pedir a bênção para ele, e ele enfiava a mão na batina e dava um santinho pra gente. Então, era aquela meninada atrás do Pe. Pelágio. E ele realmente tinha um atendimento muito grande com as pessoas doentes. Eu sou testemunha porque ele foi na casa da minha vó, que estava com a minha tia acamada, desenganada, e ele ia todos os dias dar a bênção para ela, e, hoje, ela está aí tranquila. Ele era muito amigo da minha família”.

A abertura oficial do Festival foi com uma apresentação da banda Gustav Ritter “Mistura e Manda”. Artistas e instrumentos em uma harmonia perfeita reproduziram sucessos da história do cinema. A intenção do Festival é promover o audiovisual. “Acho que podemos esperar bastante. O Festival trará uma diversidade de artes não só do cinema para Trindade, e para chamar a atenção para essa cidade santa um mês antes da Festa do Divino, que é tão importante também. Estamos vendo um engajamento bem grande de toda a cidade”, comentou João Novaes, curador.

Na entrada do Cineteatro, 15 obras da exposição Frei Confaloni também atraíram olhares de quem passou pelo local. A noite foi encerrada com a exibição do filme “Pe. Pelágio, Santificado seja vosso nome”, uma produção bem trindadense. “Passamos quatro anos fazendo um filme que a cidade inteira ajudou a fazer com locações, figurino, elenco do grupo Desencanto. Então, tivemos que ensaiar toda essa moçada”, destacou o diretor cinematográfico, Fábio PH.

Oficinas de produção audiovisual

Durante o Festival, várias oportunidades para quem quis aprender um pouco mais sobre o processo de produção audiovisual. Foram três dias de oficinas para jovens da rede pública de ensino. “Grandes diretores da história do cinema fizeram carreira adaptando livros. Então, tem que ler muito, pois o cinema é só uma continuação da tradição da narrativa humana, que começou com a narrativa oral. Hoje, estamos no cinema, em breve estaremos na realidade virtual. Quem quiser chegar a ser mestre nessas áreas tem que primeiro entender daqueles que vieram antes. A nova geração de profissionais está espalhada por aí. Temos que despertar isso neles, dar um click”, pontuou o escritor Yuri Vieira.

A realização do 1º Festival de Cinema foi da Prefeitura de Trindade, porém vários parceiros, como a Associação Filhos do Pai Eterno, estiveram presente, permitindo aos jovens a oportunidade de conhecimento. No total, 32 alunos, entre 9 e 18 anos de idade, foram selecionados para participar das oficinas de cinema.

De acordo com Warley Lopes, coordenador de cerimônia e eventos, as oficinas foram realizadas com os alunos que demonstraram maior aptidão. “Nós preparamos essa oficina para os alunos da rede municipal e estadual de ensino para que escolhêssemos os alunos com vontade, determinação para trabalhar com esse tipo de arte, que é o cinema. Fizemos a solicitação nas escolas e selecionamos alguns para participar desta oficina, para que pudessem aprender com mais técnica e habilidade. Quem sabe no próximo ano, já teremos produções exibidas a partir deste trabalho que está sendo feito aqui agora”, disse.

Ana Vitória Gomes, aluna do 9º ano, já teve uma experiência com cinema e procurou participar em busca de novos conhecimentos. “É uma forma de descobrir se é o que eu gosto de fazer, uma forma de aprender sobre o meio e me especificar”, afirmou.

A Gisele Martins, aluna também, veio fazer oficina por gostar muito de teatro e cinema. “Acho que é um aprimoramento para cada vez mais a gente se destacar, ter um estudo, uma aprendizagem maior”.

Já o Álvaro Alves pensa em seguir uma carreira como cineasta. “Sempre foi uma coisa que eu gostei desde pequeno. Gosto de apresentar, de estar ali. Então, acho que a oficina pode me ajudar muito”, concluiu.

O Programa vai ao ar de segunda a sexta-feira, às 7h45, com reapresentação às 10h45. Você pode acompanhar todas as edições pelo Canal Pai Eterno, no YouTube, e também assistir pelo portal paieterno.com.br, na página do Programa Pai Eterno.

Deixe o seu Comentário


Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site, e podem passar por moderação.

TV Pai Eterno

Faça parte desta família

Baixe o aplicativo Pai Eterno


Google Play
App Store
© Copyright, Afipe - Associação Filhos do Pai Eterno