Evangelização

Santa Faustina: a mensagem do amor e misericórdia de Deus

Após relatar aparição de Jesus em seu diário, ela tornou-se conhecida por seus relatos e experiências.

O Programa Pai Eterno dessa terça-feira, 27, continuou contando detalhes sobre a história de vida e dedicação à missão religiosa de Santa Faustina. Nesta semana, Pe. Robson de Oliveira reza, na Polônia, o último ciclo das Novenas Internacionais sob intercessão da santa, conhecida no mundo todo por sua preocupação os mais necessitados. (Assista ao vídeo abaixo)

Nascida em 25 de agosto de 1905, no distrito de Turek, na Polônia, Santa Faustina foi a terceira filha de dez irmãos. Batizada com o nome de Helena Kowalska, ela recebeu a primeira comunhão aos nove anos e aos 18 pediu aos pais para entrar no convento. Eles negaram o pedido e por um tempo, ela desistiu da ideia de seguir na vida religiosa, mas aquele sentimento nunca deixou de existir. Até que um dia, foi a um baile com a irmã e viu a imagem de Cristo.

Depois do que aconteceu nesse baile, Helena foi a uma igreja. Diante do Santíssimo Sacramento e, em oração, pediu a Deus que lhe desse um sinal sobre o que deveria fazer. Naquele momento, ela teria ouvido uma voz dizendo para que fosse até a cidade de Varsóvia, porque lá, ela conseguiria entrar em um convento. E assim, Helena Kowalska fez. Bateu em várias portas até ser acolhida no dia primeiro de agosto de 1925 na clausura do convento da Congregação das Irmãs de Nossa Senhora da Misericórdia, em Varsóvia.

Segundo registros, a vida espiritual de Helena começou muito cedo. Em seu diário ela deixou escrito: “Quando eu tinha sete anos ouvi pela primeira vez a voz de Deus na minha alma”. Dentro da Congregação, já na cidade da Cracóvia, em 1926, Helena recebeu o hábito e o nome de Irmã Maria Faustina, ao qual ela acrescentou “do Santíssimo Sacramento”, pelo seu grande amor a Jesus presente no Sacrário. Dois anos depois, fez a primeira profissão dos votos religiosos no Santuário do convento da Cracóvia. E cinco anos depois, os votos perpétuos de castidade, pobreza e obediência.

De acordo com a assessora de imprensa do Santuário de Santa Faustina, Irmã Elzbieta Siepak, Santa Faustina faz parte dos maiores místicos dentro da história da Igreja. “Jesus lhe transmitiu essa mensagem; essa mensagem sobre o amor misericordioso de Deus para com cada pessoa e sobre a necessidade de proclamar essa verdade com nova força e novo vigor, através do testemunho de vida, palavras, atos e oração. Faz parte integrante dessa mensagem da misericórdia a devoção e o culto à Divina Misericórdia nas formas que ela recebeu de Jesus. Dentro dessas formas privilegiadas está o quadro de Jesus Misericordioso, a festa da Divina Misericórdia, no primeiro domingo depois da Páscoa, o terço da Divina Misericórdia, a oração no momento de agonia de Jesus, conhecida também como a Hora da Agonia, e também a expansão do culto da Divina Misericórdia. Hoje, essa mensagem que Jesus transmitiu a irmã Faustina sobre a Divina Misericórdia, e que ela registrou no seu Diário, está acessível também em língua portuguesa, inclusive no Brasil”, afirmou.

Foi em fevereiro de 1931 que Santa Faustina relatou em seu diário, que teve a primeira revelação de Jesus enquanto Rei da Divina Misericórdia. Essa aparição teria acontecido em seu quarto, enquanto se recuperava dos sinais de uma possível tuberculose. Segundo ela, Jesus apareceu vestido de branco e de seu coração saiam feixes de luz vermelha e branca.

Veja também:

Um dos pedidos que Ele fez foi para que Faustina pintasse uma Imagem Sua, que fosse fiel ao que ela estava vendo, com a escrita: Jesus, eu confio em vós. A Imagem é um símbolo da caridade, do perdão e do amor de Deus e é conhecida como a “Fonte da Misericórdia” já que nela, Jesus aparece levantando sua mão direita em sinal de bênção.

“Hoje, praticamente não existe nenhum país onde o quadro de Jesus Misericordioso não exista, não seja conhecido, A festa da Divina Misericórdia foi inscrita dentro do calendário litúrgico da Igreja Universal. O terço da Divina Misericórdia é rezado em todos os cantos do mundo, inclusive nos lugares mais distantes, nas ilhas dispersas pelos oceanos. Está se popularizando, sempre mais, a oração às três horas da tarde. Existem também milhares de pessoas engajadas para que a mensagem da Divina Misericórdia possa chegar a todas as pessoas do mundo inteiro. O Santo Padre, quando veio aqui, na Cracóvia, e quando fez o ato de oferecimento do mundo inteiro à Divina Misericórdia – falamos aqui do Papa João Paulo II – ele disse, naquela ocasião, que o desejo dele é que essa mensagem da Divina misericórdia possa se expandir pelo mundo inteiro porque só na misericórdia de Deus é que o mundo encontrará a paz e o homem, a felicidade. Por isso, é tão importante propagar essa mensagem da Misericórdia porque ela traz consigo uma verdadeira luz da vida, traz a felicidade, traz a paz”, ressaltou Irmã Elzbieta Siepak.

Irmã Faustina ofereceu a vida a Deus em sacrifício pelos pecadores, a fim de salvar suas almas. E por isso, teve uma história marcada por muito sofrimento. A santa teve tuberculose e os seus últimos dez anos de vida foram consideravelmente cruéis. No dia 5 de outubro de 1938 sussurrou à irmã enfermeira: “Hoje o Senhor me receberá”. Ela estava completamente esgotada fisicamente, mas segundo relatos, em plena maturidade espiritual.

Naquele mesmo dia, ela faleceu com a fama de santidade, com apenas 33 anos. Destes, 13 foram dedicados à vida religiosa. Faustina Kowalska foi beatificada no dia 18 de abril de 1993 pelo Papa João Paulo II, que também a canonizou em 30 de abril do ano 2000. Um reconhecimento dele por toda a história de Santa Faustina, a Apóstola da Divina Misericórdia.

Segundo o Pe. Franciszek Slusarczyk, reitor do Santuário de Santa Faustina, o Papa fez todo o esforço possível para que acontecesse primeiro a beatificação e, depois, a canonização da irmã Faustina. “Fez também esforço para que o conteúdo das páginas do Diário, que ela escreveu, fosse conhecido no mundo inteiro. Penso que, atualmente, esse Diário da irmã Faustina é um dos escritos mais conhecidos e divulgados, no mundo inteiro, sendo traduzido em diversas línguas. Graças a esse fato, a mensagem se torna conhecida em todos os continentes e em diversos países. Vale a pena lembrar ainda que o Papa fez esforço para divulgar o culto, a devoção à Divina Misericórdia; escreveu, inclusive, uma Encíclica sobre a Divina Misericórdia. Depois, também, beatificou e canonizou a Irmã Faustina”, disse.

Ir. Elzbieta Siepak completou: “A essência da mensagem da irmã Faustina é a seguinte: conhecer a Deus que é amor e Misericórdia, confiar Nele e ser bom para outras pessoas. Nessas palavras está resumida toda a mensagem da Divina Misericórdia e toda a herança que a Irmã Faustina nos deixou”.

O Programa vai ao ar de segunda a sexta-feira, às 7h45, com reapresentação às 10h45. Você pode acompanhar todas as edições pelo Canal Pai Eterno, no YouTube, e também assistir pelo portal paieterno.com.br, na página do Programa Pai Eterno.

Deixe o seu Comentário


Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site, e podem passar por moderação.

TV Pai Eterno

MATÉRIAS RELACIONADAS






Baixe o aplicativo Pai Eterno

Google Play
App Store