Você sabe a importância do jejum na Quaresma?

  12 de March de 2019 • 11h18 • Atualizado em 14/03/2019 • 17h49

No período da Quaresma, todos os cristãos são convidados à doação. São dias de intensa fé, em momentos de jejum, oração e caridade. “Somos chamados ao recolhimento e também à reflexão. O jejum é a abstinência daquilo que eu mais gosto. É, para cada um de nós, uma alternativa de nos aproximarmos de Deus”, explicou Pe. Natalino Martins, Missionário Redentorista.

Jesus morreu na cruz por nós e este é o maior exemplo para buscarmos esta dimensão penitencial. É neste momento que a Igreja Católica nos propõe a realização deste sacrifício. “Fazer o jejum faz de nós mais íntimos com Deus ao mesmo tempo em que testa e educa as nossas vontades”, pontuou o padre. Ele ainda ressaltou que “faz-se jejum de coisas, objetos, circunstâncias ou situações e atitudes que eu gosto e que, na verdade, vão me custar muito caro me abster”.

Tudo isso tem um embasamento na Palavra de Deus. Alguns trechos bíblicos mostram claramente que abrir mão das suas vontades é dever do cristão.

“Vai reunir todos os judeus de Susa e jejuai por mim sem comer nem beber durante três dias e três noites. Eu farei a mesma coisa com as minhas criadas. Depois disso, apesar da lei, irei ter com o rei. Se houver de morrer, morrerei.” (Ester 4,16)

Neste período de Quaresma muitas pessoas deixam de comer aquilo que gostam: pão, bolo, arroz, carne, frutas, doce e até aquele cafezinho. Este sacrifício é importante, mas a Palavra de Deus nos pede mais.

O jejum tem duas modalidades: o comunitário e o individual. De modo geral,  “todos nós que praticamos o jejum estamos deixando que as forças do mal sejam vencidas por meio desta prática”, concluiu Pe. Natalino.

Veja Também