Atendimento

Qual a diferença entre freira, irmã e madre?

Ir. Claudete Ferreira Mendes, da Copiosa Redenção, explica detalhes. Confira!

Homens que escolhem a vida religiosa recebem várias denominações, as quais são determinadas pelas fases de formação, ordenação ou por missão desempenhada na Igreja. Da mesma forma, acontece com as mulheres que optam por seguir a vida em missão e dedicação à Igreja.

De acordo com a Ir. Claudete Ferreira Mendes, que integra a Comunidade da Copiosa Redenção, em Trindade (GO), freira e irmã representam o mesmo significado e os dois nomes são usados em sociedade. “Eu sou uma consagrada e, normalmente, as pessoas me chamam de irmã. Freira, na língua portuguesa, é o feminino de frei, uma forma não mais utilizada comumente. Então, no nosso meio religioso é mais usado o nome irmã”, explica.

A religiosa explica que há uma diferenciação conforme atribuições de responsabilidades dentro da Congregação. “Antigamente, se usava muito a denominação madre superiora para a irmã que era a responsável pela comunidade, ou seja, superiora local. Depois, esse termo mudou só para madre. Para isso, tem o capítulo, que é uma espécie de eleição, igual ao dos padres. Então, ela é eleita e fica por um período de até seis anos. Ela visita as comunidades anualmente, escuta as irmãs e procura acompanhar a missão de cada uma”, pontua.

Ordem religiosa

Outro ponto destacado pela Ir. Claudete é a denominação conforme a ordem religiosa. “Nós somos as Irmãs da Copiosa Redenção, temos em Trindade também as Irmãs Carmelitas e as Irmãs da Caridade da Vila São Cottolengo. E como é separada a ordem? Pelo carisma. As irmãs da Copiosa Redenção têm como carisma adoração ao Santíssimo Sacramento pelos dependentes químicos. Copiosa significa graça abundante, que redime. Já as Carmelitas, por exemplo, vivem enclausuradas nos Carmelos em oração pelo mundo”, ressalta.

Para viver a consagração dentro da Igreja Católica, as irmãs, assim como os padres, passam por um processo de discernimento vocacional e formação. Primeiramente, segundo a religiosa, existe um acompanhamento quando ainda estão com a família. Depois, se entra no aspirantado, que é uma fase na qual se aspira pela vida religiosa. Depois dele, já começam a estudar o carisma e vem o postolantado, que dura em média dois anos, depende da candidata.

Em seguida, vem o noviciado, que dura cerca de um ou dois anos, sendo o primeiro ano canônico, fechado só para estudos. Depois, vem a fase em que somos enviadas para a missão. Posteriormente, o juniorato, que dura em torno de sete a oito anos. E, finalmente, são os votos perpétuos, que é o último passo. As irmãs vivem no convento, assim como os padres religiosos”, finaliza a religiosa.


Deixe o seu Comentário


Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site, e podem passar por moderação.
3 Cometários
  • LUIZ COAN
    16/6/2021 - 16:12:01

    MUITO INTERESSANTE. NÃO SABIA. OUTRO PONTO QUE GOSTARIA DE SABER É A DIFERENÇA ENTRE: FREI, FRADE E IRMÃO.

  • Doride
    17/6/2021 - 08:52:20

    Gosto imensamente da irmâ Claudete rezando a novena. Ela transmite muita paz. Deus a abençoe.

  • ROSA MARIA
    17/6/2021 - 14:09:41

    Olá irmã Claudete, foi um prazer ver sua explicação sobre tema.Rezo com a senhora o terço do sagrado coração de Jesus, diariamente e a novena também!
    Gosto muito da senhora, é simples, simpatica que cativa seus seguidores . Obrigada pelo seu trabalho, Deus lhe pague!
    Rezemos uns pelos outros sempre com a bênção do Sagrado coração de Jesus, e por nossas famílias!
    Um grande abraço !

  • TV Pai Eterno

    MATÉRIAS RELACIONADAS



    Faça parte desta família

    Baixe o aplicativo Pai Eterno


    Google Play
    App Store
    © Copyright, Afipe - Associação Filhos do Pai Eterno