Especial

Anunciação do Senhor: o aviso da encarnação do Filho de Deus

Em artigo, Cardeal Orani João Tempesta fala sobre a celebração do anúncio do anjo Gabriel a Maria

Celebramos neste dia 25 de março, a Solenidade da Anunciação do Senhor. Essa celebração festiva acontece justamente nove meses antes do Natal, e recorda o anúncio do anjo Gabriel a Maria. Sempre celebrada no dia 25 de março, exceto quando esse dia ocorre na Semana Santa ou na Oitava da Páscoa, sendo assim, a celebração acontece na semana após a oitava da Páscoa. Neste ano é o início das “24 horas para o Senhor” criado pelo Papa Francisco, na sexta-feira que antecede ao Domingo Laetare, e também o dia em que o Papa e todos os bispos irão consagrar a Ucrânia e a Rússia ao Coração Imaculado de Maria pedindo pela paz.

Por meio dessa celebração, somos chamados a dar o nosso sim a Deus, do mesmo modo que Maria deu. Temos que nos despojar das coisas mundanas e daquilo que nos afasta de Deus. E, ainda, nos conformar e aceitar os planos de Deus para a nossa vida. Quando aceitamos os planos de Deus em nossa vida, tudo muda e se transforma.

O anúncio do anjo Gabriel a Maria está descrito no Evangelho de Lucas dessa forma: “Disse-lhe o anjo: O Espírito Santo descerá sobre ti, e a força do Altíssimo te envolverá com a sua sombra. Por isso, o ente santo que nascer de ti será chamado Filho de Deus. Também Isabel, tua parenta, até ela concebeu um filho na sua velhice; e já está no sexto mês aquela que é tida por estéril, porque a Deus nenhuma coisa é impossível. Então disse Maria: Eis aqui a serva do Senhor. Faça-se em mim segundo a tua palavra. E o anjo afastou-se dela” (Lc 1,35-38).

Maria foi escolhida por Deus, dentre tantas jovens de seu tempo, Ela foi agraciada por Deus. O próprio anjo a saúda como a “Ave cheia de graça”. A graça de Deus também adveio sobre a sua prima Santa Isabel, que já em idade avançada concebeu João Batista. Para Deus, nada é impossível, por isso, permitamos que Ele faça o impossível em nossa vida. Coloquemo-nos à disposição de Deus e permitamos que a Palavra de Deus se faça verdade em nossa vida.

Essa celebração surgiu no século VI, na época do Imperador Justiniano, e foi introduzida na liturgia da Igreja Católica no fim do século VII, pelo Papa Sérgio I. A primeira celebração iniciou-se com uma procissão na Basílica de Santa Maria Maior. A Basílica de Santa Maria Maior tem um arco triunfal dedicado a maternidade de Maria.

O tema central dessa festa é o Verbo Divino que assume a nossa natureza humana. A Palavra de Deus se faz carne e habita entre nós. A partir do Sim de Maria, uma nova história se inicia e Deus faz uma nova aliança com o seu povo. Uma nova e eterna aliança que não termina com a morte na cruz, mas que se perpetuaria a partir do Espírito Santo.

Nesse dia, com grande alegria, contemplamos o mistério do Deus todo poderoso, no início do mundo criou todas as coisas e no tempo oportuno, envia o seu Filho, nascido de uma mulher, para governar todas as nações. Jesus Cristo com a paixão, morte e ressurreição e com a vinda do Espírito Santo, sela uma nova e eterna aliança e dessa forma, surge uma nova criação, livre da sombra do pecado.

Assim, hoje é o dia de proclamarmos: “E o verbo se fez carne” (Jo 1,14a). Isso nós proclamamos diariamente na oração do ângelus, que rezamos sempre, exceto no tempo Pascal. Nesse dia 25 de março, em que fazemos uma pausa na introspeção penitencial da Quaresma, mais do que nunca, proclamamos esse versículo bíblico. O verbo se fez carne e habitou entre nós. Maria com o seu sim histórico, muda a história da salvação e um novo tempo é instaurado. O tempo da redenção, do amor e da misericórdia.

Através do sim de Maria, se cumpre a profecia de Isaías: “Por isso, o próprio Senhor vos dará um sinal: uma virgem conceberá e dará à luz um filho, e o chamará Deus Conosco” (Is 7,14). Deus assume a natureza humana e através do seio de Maria, vem ensinar a humanidade o caminho do respeito e do amor ao próximo.

Nos dias de hoje, aguardamos a segunda vinda de Cristo. Mas é claro, tudo isso é no tempo de Deus, enquanto essa segunda vinda não acontece, temos que nos unir pela oração e esperar que o coração das pessoas mude.

Segue a oração para esse dia da solenidade: Ó Deus, quisestes que vosso Verbo se fizesse homem no seio da Virgem Maria; dai-nos participar da divindade do nosso Redentor, que proclamamos verdadeiro Deus e verdadeiro homem. Por nosso Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo”.

Celebremos com alegria essa solenidade da Anunciação do Senhor, renovando a nossa fé e o nosso sim a Deus. E que possamos estar sempre cheios do Espírito Santo, para que por meio d’Ele, possamos trilhar os caminhos do amor e da fé.

 

Cardeal Orani João Tempesta
Arcebispo do Rio de Janeiro (RJ)


Deixe o seu Comentário


Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site, e podem passar por moderação.

TV Pai Eterno

MATÉRIAS RELACIONADAS



Baixe o aplicativo Pai Eterno


Google Play
App Store
© Copyright, Afipe - Associação Filhos do Pai Eterno