Especial

Religioso supera a perda da visão e ministra a fé

Religioso conta como serve à casa de Deus, mesmo sem enxergar

Reprodução: Arquivo pessoal frei Wellington

Não importa a limitação do ser humano, quando Deus chama, Ele capacita para a missão. Assim foi com o Frei Wellington Porfhírio, Carmelita Descalço do Rio de Janeiro.  Ele é cego e usa as redes sociais para mostrar que mesmo com a deficiência, realiza o trabalho evangelizador na igreja. Desde a celebração de missas e o dia a dia de forma descontraída na paróquia Nossa Senhora da Conceição de Macabu (RJ).

A deficiência não foi limite para o frei, segundo ele, “não procuro desculpas para não viver aquilo que eu tenho para viver. E foi o que eu fiz, pois não quero chegar na minha velhice com remorso por não realizar o meu chamado”, comenta o frei que viaja o país inteiro sozinho, pois confia naquEle que o chamou.

A baixa visão sempre acompanhou Wellington, e a perda total da vista chegou na época da ordenação que aconteceu há 7 anos. “Eu percebi que as minhas vistas pioraram no meu último ano de teologia, que coincidiu com a ordenação diaconal e presbiteral”, relata o frei.

É com muito bom humor que o religioso mostra que a deficiência visual não é obstáculo para exercer o sacerdócio. Ele conta que “vê com os ouvidos” e diverte os devotos com os relatos. No dia a dia, o frei conta com a ajuda de duas grandes companheiras, que são as suas bengalas: Judit e Alfred, que o auxiliam em ambientes externos e internos.

Os dois auxílios o levam às 23 capelas da comunidade. Além disso, o celular também é uma importante ferramenta: “uso o aparelho com um fone de ouvido que me direciona para o que eu preciso. E também, das pessoas que me auxiliam e estão sempre por perto”, explica o frei que realiza um grande trabalho nas missas, batizados e casamentos.

“Inclusão combate a cultura do descarte”, diz Papa
Ao participar de um encontro com a Assembleia plenária da Pontifícia Academia das Ciências Sociais, o Pontífice destacou que a dignidade das pessoas com deficiência, com suas implicações antropológicas, filosóficas e teológicas, naturalmente está no centro. Sem se apoiar firmemente nessa base, pode acontecer que, embora se afirme o princípio da dignidade humana, ao mesmo tempo se aja contra ele. A doutrina social da Igreja é muito clara a esse respeito: as pessoas com deficiência “são sujeitos plenamente humanos, possuidores de direitos e deveres”.

De acordo com o Santo Padre, combater a cultura do descarte significa promover a cultura da inclusão, unindo, criando e fortalecendo os laços de pertencimento à sociedade. Os protagonistas dessa ação solidária são aqueles que, sentindo-se corresponsáveis pelo bem de cada pessoa, trabalham por uma maior justiça social e pela remoção de barreiras de vários tipos que impedem que muitos desfrutem de direitos e liberdades fundamentais.


Deixe o seu Comentário


Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site, e podem passar por moderação.
7 Cometários
  • Paulo Pedro
    15/4/2024 - 09:11:35

    Louvor e glória ao Criador, conhece, fortalece cada vez mais os laços de pertencimento. Assim seja.

  • Diácono permanente: João Bosco Ferri
    15/4/2024 - 09:13:52

    Sua atitude, padre, me dá coragem para prosseguir no caminho. Peço a Deus que continue te abençoando e me encorajando persistentemente!

  • Marlene Coelho Ladeira
    15/4/2024 - 10:36:02

    O senhor nos dá a certeza com seu amor, a vocação que não existe limites quando queremos doar o dom que Deus nos deu. Que Jesus, Maria e seu anjo da guarda sejam sempre os seus guias. Sua benção. 🙏

  • Zilma Gomes dos Reis
    15/4/2024 - 12:31:01

    Que testemunho belíssimo! Lição de vida para nós! Você enxerga com os olhos da alma e da fé. Muito obrigada, padre, por seu sim! Que a predileção que a Virgem Maria tem por você sempre lhe acompanhe!

  • Portela
    15/4/2024 - 12:32:02

    Deus escreve certo por linhas tortas. Deus abençoe a vida deste Frei, eu não acredito em sorte e em azar, mas sim, em Deus. O ser humano tem o costume de falar que nada cai do céu, mas tudo vem do céu porque é o trono de Deus. Eu acredito que quando o ser humano vem ao mundo, o seu destino já está traçado por Deus.

  • Zelinda
    15/4/2024 - 13:51:14

    Digno de bênçãos, esse filho de Deus, que mesmo com a falta da visão externa consegue enxergar com os olhos do coração. Que Jesus continue lhe abençoando para dar continuidade a essa missão abençoada.

  • Francisco Correa
    15/4/2024 - 17:31:18

    Parabéns Frei pela sua dedicação na evangelização.
    Que o seu exemplo nos ajude a viver melhor nossa fé.

  • TV Pai Eterno

    Baixe o aplicativo Pai Eterno


    Google Play
    App Store
    © Copyright, Afipe - Associação Filhos do Pai Eterno