Ajudar o próximo

Conheça o Projeto Social “Mãos de Clara”

O projeto social “MÃOS DE CLARA” está ajudando muito a população carente de Belo Horizonte

 

É dentro do espírito de vivência e fraternidade que a Paróquia Santa Clara de Assis, uma das maiores em Belo Horizonte, vem crescendo e ganhando novos adeptos a serviço da Igreja. Foi a partir deste olhar voltado aos mais vulneráveis que surgiu o projeto “Mãos de Clara”, com o objetivo de promover ações concretas em favor dos mais pobres.

Uma dessas iniciativas é coordenada pela Adelina Santos que ajuda na confecção de enxovais de bebês de gestantes que enfrentam dificuldades. “O projeto surgiu em 2008 por um grupo de senhoras da pastoral familiar. Elas tiveram o desejo de fazer algo social e levaram até o padre da época que tinha objetivo de formar roupinhas para doar às mães das crianças que saírem da maternidade”, recorda Adelina Santos. 

Além de estarem juntos em oração, os quase 170 voluntários do projeto “Mãos de Clara” também se mobilizam para acompanhar as necessidades em asilos, abrigos de adolescentes e creches. Um trabalho que une a ajuda por meio de bens materiais e a escuta da população carente. 

Luciana Pereira coordena a distribuição de refeições para mais de 400 pessoas em situação de rua. Ela conta que o grupo assistencial tem todo o cuidado em levar não só alimento, mas também roupas, calçados e produtos de higiene pessoal. Uma forma de aproximação completa entre a Igreja e os irmãos que precisam de apoio solidário.Começamos a fazer almoço para os moradores de rua, hoje somos 167 voluntários e a doação vem desse grupo e fomos vendo que só os moradores de rua era pouco. Então, vimos que as nossas ações poderiam aumentar e fazer uma coisa mais ampla”, explica.   

 É a solidariedade que se torna motivação no exercício da ação missionária proposta pela Igreja. É também a dignidade para dezenas de mães e recém-nascidos que são valorizados através da empatia e da fraternidade.A cada dia não adianta só dar o material, temos que na verdade interessar por cada um deles, porque, as vezes, a necessidade deles é além do material e sim no emocional, afetivo. Então, temos esse trabalho na pessoa humana”, completa Luciana. 

Deixe o seu Comentário


Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site, e podem passar por moderação.

TV Pai Eterno

Faça parte desta família

Baixe o aplicativo Pai Eterno


Google Play
App Store
© Copyright, Afipe - Associação Filhos do Pai Eterno